Um desabafo sobre os concursos públicos no Brasil – MPU 2010

Depois de mais de ano, resolvi retomar o blog, eventualmente, para dizer coisas que às vezes vem a mente.

Estou, a partir deste momento, extremamente chateado com certas coisas que vi. O que vi??? Pessoas extremamente competentes sendo eliminadas do sonho de suas vidas, ou de um dos sonhos, devido à discricionariedade de uma banca de concursos.

Infelizmente, nem tudo que penso pode ser escrito, pois em um país no qual os poderosos sempre vencem algumas palavras num blog podem ser motivos para processos, pois nesse mesmo país ninguém assume seus erros, sempre buscando um bode expiatório para tudo, sempre querendo “acusar o acusador”.

Eu, graças a Deus, tenho um emprego público também, na área que gosto, na qual me formei (engenharia civil) e fiz mestrado (recursos hídricos).  Mas e os outros??? E aqueles que se empenharam vários meses e/ou anos e se viram eliminados daquilo que tanto buscaram por causa de 1 ponto ou 1 centésimo… Sim, tiveram pessoas eliminadas por um centésimo de ponto em uma prova de redação!!! Justo? Claro que não, pois em correções desse tipo como saber se a nota mais justa era um 4,99 (reprovação) ou um 5,00 (aprovação)?

A que estou me referindo nesse pequeno desabafo? À prova do MPU, organizada pela CESPE, mais precisamente à prova de redação. Tenho críticas imensas à prova objetiva também, mas não é esse o meu foco aqui.

A CESPE tem algo chamado “espelho de redação”, que é o “gabarito” da prova discursiva. Lá a banca diz mais ou menos em que aspectos perdemos e ganhamos nossos pontos.

Pois bem, o texto da redação da prova falava sobre o Decreto nº 5.707, de 23/02/2006, que instituiu as políticas e diretrizes para o desenvolvimento de pessoal da administração pública federal direta, autárquica e funcional.

 

No enunciado, é pedido para que se redija um texto dissertativo acerca da “importância do mapeamento de competências em uma organização pública para a implantação da referida política”, abordando, necessariamente, os seguintes aspectos:

– Principais métodos e técnicas para a realização do mapeamento de competências;

– Encadeamento dos passos ao se realizar esse mapeamento;

– Aplicação dos resultados do mapeamento;

 

Repetindo, no enunciado se pede para abordar os aspectos citados, no contexto da organização pública. Pelo menos é isso que se entende ao se ler, não é caro leitor?

O espelho então traz a seguinte distribuição de notas por “item” abordado:

1 Estruturação do texto (1pt);

2.1 Principais métodos e técnicas para a realização do mapeamento de competências (4 pts);

2.1  Encadeamento dos passos ao se realizar esse mapeamento (4 pts);

2.3 Aplicação dos resultados do mapeamento (1 pt);

 

Segue então o texto da minha redação (embora aqui eu não sei como por parágrafo, deixo claro que a) Usei parágrafos na minha redação e b) não usei corretor ortográfico do word

A adequação das competências requeridas dos servidores aos objetivos institucionais é um foco recente e inovador que deve permear a gestão de pessoas dentro de uma organização, incluindo a administração pública, denominado gestão por competências. Para compatibilizar o rendimento dos servidos com os objetivos organizacionais é necessário que seja realizado um efetivo mapeamento de competências, que deve embasar os processos se seleção, recrutamento, treinamento e desenvolvimento de pessoal, visando à melhoria dos serviços públicos oferecidos.

Para efetuar o mapeamento de competências, é necessário em um primeiro momento definir quais as competências essenciais da organização, competências essas que geram seu diferencial competitivo. Nesta fase, é interessante que clientes e fornecedores sejam vistos como parceiros, com visões que podem agregar valores ao levantamento.  Ainda neste momento devem ser avaliados o grau de cumprimento e a pertinência do planejamento estratégico realizado, que pode indicar como se encontra a instituição em seu ambiente.

Definidas as competências organizacionais essenciais, é realizado o mapeamento das competências individuais, relacionadas ao conjunto de habilidades, atitudes e conhecimentos de cada servidor e seu grau de entrega. Confrontando-se todos os dados levantados, relacionados às competências (essenciais e individuais), objetivos e o grau de concretização destes, tem-se a noção de quais competências precisam ser trabalhadas para melhorar a performance da instituição.

De posse dos resultados do mapeamento, a área de gestão de pessoas vai embasar o recrutamento e a seleção de novos servidores, assim como o desenvolvimento e treinamento dos que já trabalham na instituição. O foco deixa de ser preparar os servidores apenas para o cargo e passa a ser desenvolvê-los para toda uma carreira. Com isso, um ponto principal da gestão por competências, que é a entrega, ou seja, a vontade de utilizar seus conhecimentos, habilidades e atitudes a favor da organização, é amplificado.

É imprescindível, portanto, que o mapeamento de competências seja realizado nas instituições públicas, e que a partir dele possam ser definidos quais os pontos em que são necessárias mudanças, mudanças estas que propiciarão que as competências individuais sejam conciliadas com as competências essenciais da organização, resultando em uma melhoria para o servidor, para a instituição, e, consequentemente, para a coletividade.

 

 

ESSE FOI MEU TEXTO. As partes aqui apresentadas em vermelho indicam trechos em que a banca considerou que eu cometi erros de morfossintaxe, enquanto as partes grifadas em azul indicam trechos em que ela considerou que cometi erros de ortografia/acentuação. Tirei as seguintes notas:

 

Item 1: 1,0 pt (100%)

Item 2.1: 2,4 pts (60%)

Item 2.2: 1,6 pts (40%)

Item 2.3: 0,2 pts (20%)

 

Minha nota final foi 4,84. Isso porque foram considerados 5 erros de português, e segundo a fórmula para cálculo da nota discursiva minha nota foi 5,2 – 2* (erros/linhas escritas). Escrevi 28 linhas.

 

Dos 5 erros considerados pela banca, sinceramente não entendo o que pode ter acontecido. Na análise da versão DIMINUÍDA da prova, que eles fornecem, acho que podem ter considerado as palavras estratégico (trecho 2) e imprescindível (trecho 5) como não acentuadas, embora no tamanho “normal” possa se ver muito bem os acentos. O trecho 1 precisava de virgula depois de “organizacionais”? Não sei, talvez, mas qual o erro no trecho 3?

Sinceramente, não recordo agora, mas lembro de ter notado um outro erro, de concordância, na hora de analisar a redação, NÃO CONSIDERADO pela banca.

Mas vamos à segunda parte da análise, a meu ver crítica, de minha própria redação. Os tópicos!!!

Bem, parece claro que o fato de falar ou não na gestão de competencias dentro de uma organização pública não importava, pois os “quesitos avaliados” não contemplavam isso. Uma introdução e uma conclusão bem estruturada parece-me que não garantia pontos a mais também…

Então vamos aos pontos realmente avaliados na redação. Entrei com dois recursos referentes aos aspectos 2.2 e 2.3. O aspecto 2.1 considerei até que foi avaliado com uma nota maior que a merecida. No pequeno espaço que tinhamos para argumentar (1000 caracteres por questão se não me engano) escrevi o seguinte:

 

Quesito: 2.2

Argumentação do candidato:

Segundo Brandão & Bahry (Gestão por Competências:métodos e técnicas para mapeamento de competências. Rev. de Serviço Público,Brasília,v.56,n.2, 2005),para se realizar o mapeamento de competências são necessários os seguintes passos:a)Analisar e interpretar a missão, visão, objetivos e outros documentos estratégicos disponíveis (l.10-12) b)Identificar as competências organizacionais e profissionais necessárias aos objetivos organizacionais (l.7-9 e l.13-17) c)Identificar as competências internas disponíveis na organização (l.13-17).Em minha redação eu falo de todos os passos, nas linhas citadas nos parênteses.Dentre outros, o trecho “…devem ser avaliados o grau de cumprimento e a PERTINÊNCIA do planejamento estratégico…” contempla o aspecto “a”,o trecho “…definir quais as competências essenciais da organização…” contempla o item “b”e o trecho “…realizado o mapeamento das competências individuais…” o “c”.As l.15 a 17 resumem esse encadeamento de passos. Peço revisão da nota.

 

 

Quesito: 2.3

Argumentação do candidato:

Segundo Brandão e Guimarães (Gestão de competências e gestão de desempenho, Rev. De  Administração de Empresas, São Paulo,v.41, n.1,2001), o resultado do mapeamento deve ser usado em ações de captação e desenvolvimento de competências e avaliação. A redação contempla isso  ao afirmar que “De posse dos resultados do mapeamento, a área de gestão de pessoas vai embasar o recrutamento e a seleção dos novos servidores, assim como o desenvolvimento e treinamento dos que já trabalham na instituição (l. 8-20)”. A conclusão da redação também contempla a “Aplicação dos resultados do mapeamento”, ao afirmar que a partir do mapeamento de competências podem ser “definidos quais os pontos em que são necessárias mudanças, mudanças estas que propiciarão que as competências individuais sejam conciliadas com as competências da organização…”. Dessa forma, acredito que na redação analisada são contemplados todos os pontos do quesito 2.3, o que geraria uma nota maior que os 0,2 (apenas 20% do item).

 

 

POIS BEM… Se alguém me der argumento para eu não ter ganho 1 décimo no quesito 2.3 e não ser descontado pelo menos um dos meus “possíveis erros” apresentados pela banca, o que me levaria a uma nota 5,01, e, consequentemente, ao primeiro lugar para Analista Administrativo em Alagoas, pode escrever aqui pessoal.

 

Sou crítico comigo mesmo, mas sei que minha redação vale mais que os 4,84, ou pelo menos, caso eles tenham avaliado mal “pra cima” minha nota em X aspectos, no quesito 2.3 sei que mereceria muito mais décimos, o que me levaria à aprovação.

 

Como achar que nós que decidimos nosso futuro assim??? Para os que se sentem como eu, só uma lembrança:

Jesus não te esqueceu, porque Ele jamais esquece os seus”


 

 

Anúncios

~ por sergiokid em novembro 10, 2010.

8 Respostas to “Um desabafo sobre os concursos públicos no Brasil – MPU 2010”

  1. Meu amigo, é incompreensível o que aconteceu. Eu também, por várias vezes, já me perguntei: por que não,se fiz tudo certo!? Mas tenha certeza, este acontecimento é uma fase de preparação para o grande triunfo que você terá, se não desistir da caminhada. Fique com Deus

  2. Independente de qualquer coisa, você já é um vencedor, e não é o resultado de uma correção injusta que vai mudar isso. Fique em paz! Te amo…

  3. Prezado Sérgio,

    Também fiquei extremamente decepcionado com este concurso do MPU. Tirei uma nota boa na objetiva, que me deixaria em 6ª no estado do Paraná. Mas fui eliminado pela redação. Entrei com recurso e também não tive alteração da nota. Mas o que mais me surpreendeu foi um candidato que havia obtido apenas 0,99 pontos ter sua nota corrigida para 6.04. E, aparentemente, isso não aconteceu apenas no PR.

  4. Olha, sinceramente, dá vontade de jogar tudo pro alto…. eu tb estou chateada pois fiquei na discursiva de analista por 0,12, entrei com recurso e nada….. Pior que tirei mais de 9 pts na redação de técnico…. vai entender!! Imagino perfeitamente sua indignação após ver um resultado de 4,99… Só Deus mesmo…. Força galera!!

  5. aconteceu o mesmo comigo, precisava de 0,4 décimos e eu, mulher que sou, com minha letra redonda e legível, mesmo dando o espaçamento correto dos parágrafos, o FDP do CESPE me deu 0,00 nesse quesito que valia 1,0 ponto, sendo apenas a metade (0,5) suficiente para me classificar…revolta..sentimento de perda: de tempo, de dedicação…etc A frase que vc meu colega colocou é o que realmete nos afaga e conforta..Deus está preparando algo melhor para nós. Abraço!

  6. PS: sua redação está perfeita..não há o que questionar!!

  7. Também concordo com você e me sinto também prejudicado por esses critérios subjetivos adotados pela banca. Apesar de ter passado, 6 na discursiva, muitos outros com notas inferiores forma beneficiados pela redação e minha classificação caiu muito. Não sabemos o número de vagas, esse fato pode excluir uma pessoa que merece de uma nomeção! Espero sinceramente que a CESPe reveja essa forma de avaliação, e quanto a você meu caro, desejo boa sorte se entrar na justiça, sua nota não está compatível com sua redação! Abraços

  8. Sérgio,
    Também me senti injustiçado pelo CESPE. Comparei minha redação que obteve 4,46 com outra que tirou 7,59 e usamos praticamente os mesmos argumentos. Enviei e-mail para o Prof Marcelo Bernando do “Eu vou passar”, e ele me respondeu que não vê explicação para a diferença nas notas a não ser a subjetividade da banca na correção.
    Enviei e-mails à procuradoria federal e regional dos direitos do cidadão do MPF (que se mete em todos os concursos, videm ENEM), mas nem responderam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: